Coluna Nas asas da sustentabilidade

Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros – incêndio devastador

31/10/2017 | Nas asas da sustentabilidade - Evandro Valentim

As imagens do incêndio que há nove dias devasta a Chapada dos Veadeiros. Foto: Davi Boarato/BBC Brasil**

Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros – incêndio devastador

Impossível fugir do tema: o descomunal incêndio no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, no município de Alto Paraíso, interior de Goiás, no mês de outubro de 2017.

A intensidade do estrago à fauna e à flora; as cenas de animais carbonizados; e o tamanho da área queimada são de desesperar.

Apesar da dificuldade de combater tamanha catástrofe, há que se registrar a impressionante mobilização da sociedade em apoio ao enfrentamento do problema. Em especial, louva-se a dedicação de quem se embrenhou por lá, pessoalmente, para fazê-lo. Mais de duzentas pessoas entre moradores locais, brigadistas, Forças Armadas, instituições públicas etc. ajudados por aviões-tanque e helicópteros, perseveram na batalha.

Em outras frentes, órgãos de imprensa buscaram doação de mantimentos que foram levados à Chapada. Pessoas comuns organizaram campanhas de financiamento coletivo via redes sociais, a fim de receber contribuições financeiras, que foram convertidas em suprimentos imprescindíveis (alimento e água aos combatentes; combustível para os veículos) à contínua luta contra as chamas.

Com teimosia, renovam-se esperanças,  quando iniciativas conjuntas de autoridades da União, do Estado de Goiás e do Distrito Federal convergem forças com um único norte: debelar o incêndio que, apesar de tudo, parecia obstinado em continuar destruindo.

Acidente ou retaliação?

Por outro lado, revolta saber dos indícios de que essa devastação foi de causa proposital, conforme declarou Fernando Tatagiba, chefe daquele Parque.

Segundo Tatagiba, em declaração a um grande jornal de Brasília*: “Alguém colocou fogo na vegetação dos dois lados da rodovia GO-118 e no interior de um aceiro, uma área desmatada que serve justamente como medida de prevenção de incêndios. Certamente se trata de uma pessoa que conhece a região e a nossa dinâmica de combate às chamas […]. O vento sopra no sentido leste-oeste e joga o fogo justamente na direção do Parque. O período de seca e o acúmulo de combustível na vegetação também não ajudam […] não há dúvidas de que se trata de um incêndio criminoso”.

Extraoficialmente, garantem alguns, esse incêndio seria retaliação de interesses contrários à ampliação do Parque da Chapada. Esses, tudo indica, querem aquela área para pasto ou para mais um grande campo de plantação de soja.

Sendo cada vez menor a área de cerrado, menor será a água disponível.

Os incendiários e seus mandantes devem desconhecer que o cerrado é o berço das águas e sem água as consequências serão bem mais sérias. Inclusive para eles.

(*) Fonte:

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2017/10/22/interna_cidadesdf,635464/incendios-continuam-a-castigar-o-parque-nacional-da-chapada-dos-veadei.shtml

** https://ichef.bbci.co.uk/news/976/cpsprodpb/182C9/production/_98471099_chapada1.jpg

 

Evandro Valentim

Evandro Valentim

Brasiliense; casado, pai e avô; mestre em gestão do conhecimento; especialista em gestão de RH; administrador; e escritor. Publicou Aventura no cerrado (Assis, 2017); Aventura na floresta: bichos e lendas daqui e dacolá (Assis, 2016); “Cliques narrativos: um romance em crônicas” (Assis, 2014); e “Causos de RH: o livro” (Livre Expressão, 2011). Aprendiz sênior em temas ambientais.

  • Compartilhar:

Comentar